é o ponto de vista que cria o objeto

pour Saussure le point de vue crée l’objet

Posted in Mind | Leave a comment

Terra em Transe / América nuestra

– a política e a poesia são demais para um homem só –

Não anuncio cantos de paz
nem me interessam as flores do estilo.
Como por dia mil notícias amargas
que definem o mundo em que vivo


Não me causam os crepúsculos
a mesma dor da adolescência.
Devolvo tranqüilo à paisagem
os vômitos da experiência.


(As belas letras disfarçam ninhos de vermes nas flores.
Estas flores são a coroa dos regimentos da mentira
como as comendas dos chanceleres
e as espadas dos generais
que determinam nos Atos
o regimes de animais)

 Glauber Rocha (1939-1981)

Posted in Mind | Leave a comment

Balada

Poema de Mário Faustino (1955)

(Em memória de um poeta suicida)

Não conseguiu firmar o nobre pacto
Entre o cosmos sangrento e a alma pura.
Porém, não se dobrou perante o fato
Da vitória do caos sobre a vontade
Augusta de ordenar a criatura
Ao menos: luz ao sul da tempestade.
Gladiador defunto mas intacto
(Tanta violência, mas tanta ternura),

Jogou-se contra um mar de sofrimentos
Não para pôr-lhes fim, Hamlet, e sim
Para afirmar-se além de seus tormentos
De monstros cegos contra um só delfim,
Frágil porém vidente, morto ao som
De vagas de verdade e de loucura.
Bateu-se delicado e fino, com
Tanta violência, mas tanta ternura!
Cruel foi teu triunfo, torpe mar.
Celebrara-te tanto, te adorava
Do fundo atroz à superfície, altar
De seus deuses solares – tanto amava
Teu dorso cavalgado de tortura!
Com que fervor enfim te penetrou
No mergulho fatal com que mostrou
Tanta violência, mas tanta ternura!

Envoi

Senhor, que perdão tem o meu amigo
Por tão clara aventura, mas tão dura?
Não está mais comigo. Nem conTigo:
Tanta violência. Mas tanta ternura.

Posted in Mind | Leave a comment

A Thousand Plateaus, Of the Refrain – Deleuze and Guattari

𝐈𝐭 𝐈𝐬 𝐍𝐨𝐭 𝐅𝐨𝐫𝐦𝐬 𝐀𝐧𝐝 𝐌𝐚𝐭𝐭𝐞𝐫𝐬, 𝐁𝐮𝐭 𝐅𝐨𝐫𝐜𝐞𝐬, 𝐃𝐞𝐧𝐬𝐢𝐭𝐢𝐞𝐬, 𝐈𝐧𝐭𝐞𝐧𝐬𝐢𝐭𝐢𝐞𝐬 𝐓𝐡𝐚𝐭 𝐌𝐚𝐭𝐭𝐞𝐫

The painter Millet used to say that what counts in painting is not, for example, what a peasant is carrying, whether it is a sacred object or a sack of potatoes, but its exact weight.

This is the post-romantic turning point: the essential thing is no longer forms and matters, or themes, but forces, densities, intensities. The earth itself swings over, tending to take on the value of pure material for a force of gravitation or weight.

Perhaps it is not until Cezanne that rocks begin to exist uniquely through the forces of folding they harness, landscapes through thermal and magnetic forces, and apples through forces of germination: nonvisual forces that nevertheless have been rendered visible.

Rochers à l’Estaque – 1883

When forces become necessarily cosmic, material becomes necessarily molecular, with enormous force operating in an infinitesimal space. The problem is no longer that of the beginning, any more than it is that of a foundation-ground. It is now a problem of consistency or consolidation: how to consolidate the material, make it consistent, so that it can harness unthinkable, invisible, non-sonorous forces.

Debussy … Music molecularizes sound matter and in so doing becomes capable of harnessing nonsonorous forces such as Duration and Intensity. Render Duration sonorous.

Let us recall Nietzsche’s idea of the eternal return as a little ditty, a refrain, but which captures the mute and unthinkable forces of the Cosmos. We thus leave behind the assemblages to enter the age of the Machine, the immense mechanosphere, the plane of cosmicization of forces to be harnessed.

Deleuze and Guattari: A Thousand Plateaus, Of the Refrain, p. 343

Posted in Mind | Leave a comment

ETIOLOGIA

Estudo de como múltiplos factores interagem na formação do objecto específico que está a ser estudado.

abrange toda a pesquisa que busca as causas de determinado objecto ou conhecimento.

via:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Etiologia

Posted in Body | Leave a comment

du musst caligari werden – 2021

Kracauer, in From Caligari to Hitler, explores the connections among film aesthetics, the prevailing psychological state of Germans in the Weimar era, and the evolving social and political reality of the time. Kracauer makes a startling (and still controversial) claim: films as popular art provide insight into the unconscious motivations and fantasies of a nation.

via: https://press.princeton.edu/books/paperback/9780691191348/from-caligari-to-hitler

Tripé da Vigário Geral com Bozo de faixa presidencial

Posted in Mind | Leave a comment

Nakauchi Kiyoshi – 中内 純

#image manipulated from this isn't happiness.
Nakauchi Kiyoshi

Posted in Mind | Leave a comment

groundtime stories

Clara Bow
Twiggy
FreeBrit
Posted in Mind | Leave a comment

Todos os Nomes

O diálogo fora difícil, com alçapões e portas falsas surgindo a cada passo, o mais pequeno deslize poderia tê-lo arrastado a uma confissão completa se não fosse estar o seu espírito atento aos múltiplos sentidos das palavras que cautelosamente ia pronunciando, sobretudo aquelas que parecem ter um sentido só, com elas é que é preciso mais cuidado. Ao contrário do que em geral se crê, sentido e significado nunca foram a mesma coisa, o significado fica-se logo por aí, é direto, literal, explícito, fechado em si mesmo, unívoco, por assim dizer, ao passo que o sentido não é capaz de permanecer quieto, fervilha de sentidos segundos, terceiros e quartos, de direções irradiantes que se vão dividindo e subdividindo em ramos e ramilhos, até se perderem de vista, o sentido de cada palavra parece-se com uma estrela quando se põe a projetar marés vivas pelo espaço fora, ventos cósmicos, perturbações magnéticas, aflições”.

(José Saramago, Todos os Nomes p.134–135)

Posted in Mind | Leave a comment

Holomovimento

Natureza básica da realidade: um processo dinâmico da totalidade, “uma única e inquebrantável integridade em movimento de fluxo (David Bohm)”. Tudo está ligado a tudo e em fluxo dinâmico, cada parte do fluxo, dentro desta estrutura holográfica, contém o fluxo como um todo. O fluxo em si está em constante mudança processual.

À Ordem Explícita, ou o que chamamos realidade do mundo fenomênico, subjaz uma Ordem Implícita, ou ordenação sob o aparente caos. O que parece casual pode ser expressão de uma ordem subjacente, oculta, cuja apreensão depende da rede epistemológica do observador.

A Ordem Implícita não é destruída ao se expressar como Ordem Explícita, podendo a manifestação ser revertida de explícita a implícita. O relacionamento entre estas duas ordens é, no entanto, complexo. Numa analogia, pode-se dizer que a Ordem Explícita é o universo espaço-temporal em que vivemos, e a Ordem Implícita o universo do não-manifestado.

Para Bohm, a ordem primária fundamental é a implícita, sendo a ordem explícita semelhante a ondulações passageiras na superfície da implícita.

A ordem implícita e explícita é uma teoria que convida a entender o universo com o um todo indivisível que flui. Considera o processo, fluxo e mudança como fundamentais, argumentando que o estado do universo num determinado momento reflete uma realidade mais básica como o mundo tridimensional dos objetos, a relação espaço-tempo… Neste nível, embora a matéria possa ser descrita em si mesma, isso não é o necessário para defini-la com clareza. A esta realidade David Bohm chama de Ordem Implícita ou Encoberta.

A Ordem Explícita ou Exposta se refere ao que se manifesta no mundo à nossa volta. Bohm defende que o mundo empírico realiza e expressa potencialidades existente dentro da ordem implícita. Bohm também indica que as Ordens Implícitas nos levam ao nível mais profundo de estudo e análise abordando aspectos de nossa experiência física, psicológica e espiritual.

Um clássico exemplo para o entendimento desta teoria é o do redemoinho. Embora ele possua uma forma relativamente constante, ele só existe no movimento do rio, ou seja, ele será a ordem explícita dentro da ordem implícita de acordo com um processo coerente de transformação.

Esta teoria sugere que, para que tenhamos um entendimento mais amplo dos segredos do universo, devemos compreender os processos geradores que ligam as ordens implícitas e explícitas.

via:

https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Holomovimento

Posted in Mind | Leave a comment

Calmly we walk through this April’s day

Posted in Soul | Leave a comment

Trieb und Instinkt

Agente propulsor, força interna que impele ininterruptamente para a ação, ímpeto perene, tendência, inclinação, instinto, impulso, força inata de origem biológica dirigida a certas finalidades, ânsia, pressão rumo a um objeto definido, vontade intensa. Na botânica, designa o broto que nasce do caule; como verbo indica a ação de tanger o gado ou encurralar a caça; na física, o processo mecânico de propulsão, no sentido de força motriz; na técnica da artilharia, é sinônimo de tiro. Na linguagem literária e filosófica do século XVII aparece como propulsor externo, estímulo, compulsão, coerção, como Instintus Divinus, força de sentido, objetivo, motivo; na filosofia e psicologia do século XVIII tem, no mais das vezes, o sentido de “Instinct“ e designa as moções primitivas e naturais.

O Treib implica na cisão entre o humano e o animal, porém Schopenhauer, Nietzsche e Freud incluíam o homem entre os animais.

[Laplanche e Pontalis – Souza (1999)]

___________________________

 

Instinkt – forma tranquila  e contínua que atua com a perenidade da vida

Heinrich Lossow – The Sin (1880)

Trieb – irrupção dinâmica

 

via:

FONSECA, E. R. Psiquismo e vida: sobre a noção de Trieb nas obras de Freud, Schopenhauer e Nietzsche. Curitiba: Editora da UFPR, p. 55-67, 2016.

 

 

 

 

 

 

 

 

..

 

Posted in Body, Mind | Leave a comment

philomena poncioso tibúrcio mantalamão


Posted in Body | Leave a comment