Ex nihilo nihil fit

Nada surge do nada – O Universo e toda a matéria são consciência do processo evolutivo da criação.

É uma expressão latina que indica um princípio metafísico segundo o qual o ser não pode começar a existir a partir do nada. A frase é atribuída ao filósofo grego Parménides.

via:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ex_nihilo_nihil_fit

Advertisements
Posted in Mind | Leave a comment

Apes and Men

Nikolaj Frederik Severin Grundtvig

Man is not an ape, destined first to ape the other animals and then himself until the world’s end.
Rather is he a divine experiment showing how spirit and dust can permeate one another and be transfigured into a common divine consciousness. (1832)

BASSOU

Posted in Mind | Leave a comment

Mantras recomendados aos gnósticos

– IAO (vocalizar essas letras juntas ou separadas a cada respiração)
– Yam… Dram… Hum… (cada sílaba numa respiração; e deve-se prolongar a letra M, assim: Yaaammmmmmmmm… Draaammmmmmmmm… Huuummmmmmmmm…
– Krim (deve-se prolongar as letras R e M: Krrrrrrrrriiimmmmmmmmm…)
– DIS… DAS… DOS… (é o famoso mantra dos querubins)
– INRI (pode-se trocar as letras I por outras vogais)
– O… AO… KAKOF… NA… KHONSA…
– HAM… SAH… (o Ham deve ser mentalizado enquanto se respira lentamente e se “pensa” nessa sílaba; já o SAH deve ser verbalizado rapidamente)
– ARIO (Aaaaaarrrrrrrrriiiiiiiiiooooooooo). Este é um dos mantras mais poderosos entregues para a transmutação sexual. Com a letra A o Fogo Criador é ativado no Centro Sexual; com o R, o Fogo sobe pela coluna vertebral; com I essa energia fixa-se no cérebro e finalmente com a vogal O uma parte da Energia Criadora vai até o coração.

 

 

via:

http://www.gnosisonline.org/tantrismo/sexologia-gnostica-para-o-casal-iniciante/

Posted in Mind | Leave a comment

Las islas Corales del Rosario – Bora Bora / Majayura Colombia

un pequeño archipiélago formado por unas 28 islas, que es parte de la zona insular de Cartagena de indias.

Playa Bora Bora

Isla Majayura (Princesa Wayuu en la lengua nativa (wayunaiki))

Posted in Body | Leave a comment

Poéticité du jeu du monde

A vida só possui um verdadeiro fascínio: o do jogo. Mas, e se nos é indiferente ganhar ou perder? Baudelaire

Ser e nada são e não são idênticos e/ou diferentes. Cada um é a visão e a máscara do outro” Axelos, 1969, p. 415

Nós devemos lutar, talvez, com a morte na alma contra a morte da alma Axelos, 1962, p. 191

Jogadores jogados / lançam de novo os dados. Emily Dickinson

Mots et morts nous accompagnent (Palavras e mortes nos acompanham). Axelos

Poéticité du jeu du monde
Kosta Axelos
Posted in Mind | Leave a comment

Falácias – Opinião não é argumento!

Ignoratio elenchi

Posted in Mind | Leave a comment

raciocínio Dedutivo – raciocínio Indutivo

O raciocínio dedutivo é um tipo de raciocínio que começa com uma ou várias reivindicações (local) e conclui com uma afirmação diferente (conclusão) cuja verdade é garantida pela validade do processo de raciocínio. O raciocínio indutivo, por outro lado, começa com uma ou mais premissas e tenta generalizar a partir delas o que é verdade em alguns casos, o que é provável que seja verdade em geral.

O raciocínio dedutivo faz uso das regras da lógica para se chegar a uma conclusão. Se as premissas são verdadeiras e as leis aplicadas estão corretas, então a conclusão é necessariamente verdadeira. Este é um exemplo de raciocínio dedutivo: “Todos os homens são mortais. Sócrates é um homem. Portanto, Sócrates é mortal…” A conclusão ( “Sócrates é mortal”) é derivada das duas premissas ( “Todos os homens são mortais” e “Sócrates é um homem”), aplicando a lei da lógica de predicados chamada instanciação universal.

Frédéric Vayssouze-Faure1

No raciocínio indutivo, o papel das premissas é fornecer um forte apoio à conclusão, mas a verdade da conclusão não é garantida, porque este tipo de raciocínio não usa leis universais (tais como as leis da lógica) para chegar à conclusão. O seguinte trecho é exemplo de raciocínio indutivo: “Tenho visto muitos cisnes e eles eram todos brancos. Portanto, todos os cisnes são brancos.” Neste caso, o raciocínio é correto porque a premissa apoia a conclusão, mas a conclusão é falsa, uma vez que existem cisnes negros.

Via:
Posted in Mind | Leave a comment