o Ócio

 Michael ParkesPlatão fundou uma escola no monte Academos. Esta escola se chamou Academia. A palavra “escola” vem de “scholé”. Os latinos traduziram essa palavra grega “Scholé” por “Otium”. A idéia de escola sugere que se trate de uma comunidade humana onde todos estejam engajados num modo de se empenhar denominado “ócio”. tumblr_lp3zolHalP1qe0eclo1_r17_500Na sua compreensão arcaica, originária, “ócio” não designava “não fazer nada”, muito menos preguiça e indolência. “Ócio” designava uma forma de trabalho. Trata-se de um modo de ser e de agir, de uma modalidade de trabalho todo próprio, caracterizado como labor livre, gratuito, assumido cordialmente por causa dele mesmo, querido voluntariamente, como realização da vocação de uma pessoa. O contrário do “ócio” é o “negócio”, ou seja, o trabalho funcionalizado em vista de um resultado, que também é importante, mas que não é o mais nobre e elevado para o ser humano. No ócio, o que está em vista é o ser humano, seu crescimento e seu aperfeiçoamento como ser humano. No negócio, o que está em vista é uma coisa, um produto, um resultado. O ser humano é usado em favor do alcance desse objetivo.

Marc Dennisvia:

A QUESTÃO DA JUSTIÇA EM PLATÃO – UCB

https://www.ucb.br/sites/000/14/Platao.pdf

Advertisements
This entry was posted in Mind. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s