filólogos, linguistas e gramáticos

Carlos Alberto Faraco
tumblr_nd72poGuad1qz6f9yo1_r1_500O filósofo italiano Antonio Gramsci dizia que todos os seres humanos são filósofos. E isso porque todos nós formulamos intuitivamente perguntas fundamentais em busca de explicações para nossa existência e para o mundo. Apenas alguns de nós se tornam, porém, filósofos profissionais e, vinculados em geral às universidades, se dedicam ao estudo sistemático das perguntas fundamentais e das inúmeras respostas que a elas vêm sendo dadas desde que os gregos lançaram as bases da filosofia lá pelo século VI a.C.
Parafraseando Gramsci, podemos dizer que todos os seres humanos são também linguistas, já que todos nós levantamos intuitivamente questões sobre a língua que falamos e sobre fenômenos linguísticos como a imensa diversidade das línguas do mundo, a origem da linguagem verbal e das línguas, a aquisição da língua pelas crianças e assim por diante.
Quando se trata, porém, de estudar sistematicamente os fenômenos linguísticos, são três os especialistas que vamos encontrar: o filólogo, o gramático e o linguista propriamente dito. Desses três, o mais conhecido do público em geral é o gramático. E isso certamente porque, bem ou mal, todos estudamos um pouco de gramática na escola. Essa antiga ligação entre gramática e ensino da língua contribui para familiarizar o público com o trabalho do gramático.

tumblr_n7o6ea1yps1qg3iveo1_500

Já dos outros dois especialistas o público sabe muito pouco. A razão disso talvez seja o fato de que suas respectivas atividades se realizem basicamente no contexto da pesquisa universitária, que é, em geral, menos visível para o público pelo seu grau maior de especialização.
Embora hoje encontremos esses três especialistas trabalhando simultaneamente (e uma mesma pessoa, muitas vezes, exerce as três funções), cada uma dessas especialidades surgiu em diferentes momentos históricos. Os filólogos foram os primeiros a surgir (por volta do século III a.C.). Depois, apareceram os gramáticos (por volta do século II a.C.)  e, finalmente, os linguistas (no fim do século XVIII).
A filologia e a gramática são, portanto, ramos do conhecimento criados pela cultura helenística. Já a linguística é um ramo do conhecimento constituído no contexto da ciência moderna.
Chamamos de cultura helenística o conjunto das manifestações culturais gregas do período que vai do reinado de Alexandre Magno (336-323 a.C.) até a incorporação do mundo grego pelos romanos, que se concluiu com a anexação do Egito em 30 a.C.
O centro cultural mais importante desse período foi Alexandria, cidade fundada em 323 a.C. por Alexandre na foz do rio Nilo. Ali foram criadas várias instituições voltadas para a investigação e o ensino, entre as quais estava a famosa Biblioteca.
Nela se reuniu uma imensa coleção de manuscritos gregos antigos com textos de poetas, dramaturgos, filósofos e historiadores. Seu corpo de estudiosos se dedicou não só a catalogar todo esse precioso acervo, mas principalmente a estabelecer, a partir do estudo criterioso dos fragmentos disponíveis, o texto que se poderia considerar como definitivo da obra de cada um dos autores gregos clássicos. Por razões óbvias, os grandes poemas de Homero (Ilíada e Odisséia) receberam particular atenção desses estudiosos.
Esse trabalho criterioso se fazia necessário porque os manuscritos do mesmo texto variavam entre si ou estavam danificados e rasurados; tinham lacunas, trechos obscuros, acréscimos ou cortes indevidos.

le brasier ardent - 1923

Dedicando-se a fixar uma forma aceitável dos textos clássicos, os sábios alexandrinos preservaram e nos legaram todo um conjunto de obras fundamentais da cultura humana.
Para realizar esse trabalho inestimável, os sábios alexandrinos tiveram de criar os métodos que, mesmo aperfeiçoados posteriormente, constituem ainda hoje a base de qualquer atividade de edição crítica dos textos reconhecidos como clássicos da cultura – textos literários, filosóficos, religiosos.
kriemhildsrache_eyebrowOs livros da Bíblia, por exemplo, têm sido objeto de intenso trabalho filológico desde o século XVI, período em que se iniciaram suas traduções para as línguas modernas. Foi preciso, então, fixar um bom texto de referência a partir dos manuscritos antigos, trabalho que se estende até hoje como consequência da descoberta de novos manuscritos.
Em resumo, podemos dizer que o objeto de estudo do filólogo são manifestações escritas antigas culturalmente importantes e seu objetivo é fixar esses textos numa forma que possa ser considerada confiável, isto é, a mais próxima possível do original. Para isso, o filólogo tem de comparar diferentes manuscritos ou (depois da invenção da imprensa) diferentes edições de um texto, buscando livrá-lo de defeitos decorrentes do processo de sua transmissão. O produto de seu trabalho é uma edição crítica do texto.
Como parte desse trabalho envolve um estudo pormenorizado das palavras e de seus sentidos nos textos, os filólogos se dedicam também ao estudo da etimologia (isto é, a investigação da origem e da história das palavras) e se envolvem diretamente com a feitura de dicionários. Assim é que os organizadores dos dois mais importantes dicionários brasileiros contemporâneos da língua portuguesa – Aurélio Buarque de Holanda Ferreira e Antônio Houaiss – se consideravam filólogos.
Falemos, agora, do gramático. Podemos dizer que sua especialidade nasceu do trabalho de crítica textual dos filólogos. O estudo criterioso dos textos levou os eruditos alexandrinos a descrever e comentar a língua que ali encontravam: aspectos de métrica, ortografia e pronúncia; a distribuição das palavras por classes (nomes, adjetivos, pronomes, verbos, advérbios, conjunções, etc.); a estrutura sintática da oração simples (sujeito, predicado, complementos, adjuntos) e dos períodos (coordenação e subordinação); o uso das figuras de linguagem e assim por diante.
Com o tempo, esses estudos passaram a constituir um ramo específico do conhecimento: a gramática. Costuma-se atribuir a um erudito alexandrino, Dionísio Trácio, do século II a.C., a autoria da primeira gramática conhecida. Ao consolidar descrições de aspectos da língua grega, sua obra foi tomada como modelo dos estudos gramaticais posteriores.
Dionísio Trácio conceituava a gramática como o estudo empírico dos fatos linguísticos que ocorrem comumente nas obras dos poetas e prosadores. O objeto do gramático era, portanto, a língua escrita exemplar, ou seja, a língua literária. E o gramática perseguia dois objetivos: descrever essa língua e, ao fazê-lo, estabelecer um modelo, um padrão a ser seguido por todos os que escrevem.
A gramática é, assim, uma espécie de livro de etiqueta: ela diz, em princípio, quais usos linguísticos são aceitáveis na escrita. Por isso, a gramática já de início se tornou matéria da escola, instituição que, em princípio, deveria ensinar as pessoas a escrever bem.

clouds

Dos três, o gramático é o especialista que tem uma preocupação nitidamente normativa, isto é, ele se ocupa em estabelecer, a partir daquilo que é corrente nos escritores, as normas do chamado “bom uso” para a escrita.
Dos três, o gramático é o especialista que mais recebe críticas. E a razão principal para isso é o fato de que muitos deles não pesquisam criteriosamente o uso corrente entre os escritores (como defendia seu patrono Dionísio Trácio). Contentam-se em reproduzir, por inércia, usos que já não são comuns (a língua é um fenômeno que muda continuamente) e condenam, sem muito fundamento, novas formas de expressão já amplamente disseminadas entre os escritores.
Com isso, a gramática vai perdendo sua funcionalidade como instrumento de referência normativa. Em consequência, a escola e quem escreve ficam sem um manual confiável.
Alguns dos nossos gramáticos, talvez por terem sólida formação filológica e linguística, produziram gramáticas um pouco mais arejadas. É o caso de Celso Cunha (cuja gramática tem sido editada em coautoria com o filólogo português Lindley Cintra) e Evanildo Bechara. Mas há ainda um longo caminho a ser percorrido até alcançarmos, no Brasil, uma boa gramática normativa de referência, isto é, atualizada e realista.
Por outro lado, é preciso ter claro que o modelo de descrição gramatical criado pelos gregos é insuficiente para descrever toda a complexidade de uma língua ou para dar conta da enorme diversidade gramatical das línguas do mundo. É um modelo ainda útil (a classificação das palavras, por exemplo, é a que se usa na organização dos dicionários) e pode ser um bom ponto de partida para a descrição.
Contudo, desde o século XIX, no contexto da ciência moderna, tem havido sucessivos esforços no sentido de encontrar modelos mais adequados para a tarefa de descrever uma língua e de dar conta da diversidade estrutural das línguas do mundo. A tarefa é hercúlea e está longe de ser alcançada. Só para se ter uma ideia da complexidade dos fenômenos linguísticos, basta lembrar que nenhuma língua do mundo foi ainda inteiramente descrita. Quer dizer: embora a(s) língua(s) seja(m) tão banal(is) na nossa vida, não conseguimos ainda dar a ela(s) uma representação científica abrangente.
E aqui entra em cena a linguística, que é a disciplina científica moderna que tem como objeto as línguas em si mesmas consideradas.
O que distingue, então, o linguista dos outros especialistas? São muitas as diferenças, mas podemos resumi-las às seguintes:
a)     (a) o linguista se interessa por todo e qualquer fenômeno linguístico (o filólogo só se interessa por uma parte das manifestações linguísticas, ou seja, pelos textos escritos canônicos; e o gramático só se interessa pela língua padrão);

c49f56b114fb8b3014162c3632d755a63a63517f_m

b)    (b) enquanto o filólogo e o gramático dirigem seu foco de atenção para a língua escrita, o linguista dá prioridade aos fenômenos da língua falada. Isso porque a fala é a modalidade de expressão universal: todas as línguas têm uma face oral, apenas algumas têm também uma face escrita. Apesar dessa primazia, o linguista, na medida em que se interessa por todo e qualquer fenômeno linguístico, se volta também para a língua escrita (a chamada linguística textual, por exemplo, tem trazido muitas contribuições para uma compreensão mais refinada da escrita). Nesse caso, o linguista não se limita à escrita de prestígio, mas estuda toda e qualquer manifestação escrita;
c)     (c) por fim, enquanto o gramático é essencialmente normativo, o linguista não o é. Em termos simples, o linguista diz como a língua é; o gramático diz como certos comportamentos linguísticos devem ser.
Esse último ponto tem gerado vários equívocos. Alguns gramáticos (e, por consequência, pessoas da mídia e mesmo professores) têm dito que os linguistas são contra a língua padrão e seu ensino porque, segundo esses detratores, para os linguistas “tudo vale”.

tumblr_nqgtisrfD01qz6f9yo1_500

Embora algumas vezes a falação contra os linguistas chegue a ser sanguínea e raivosa, tudo não passa de um tigre de papel. Claro que para os linguistas tudo vale: como bons cientistas, eles querem descrever e compreender todo e qualquer fenômeno linguístico, inclusive a língua padrão. Aliás, foram os linguistas, na chamada sociolinguística, que desenvolveram os melhores métodos para descrever a língua padrão.
Justamente por isso, os linguistas são críticos do excessivo conservadorismo das nossas gramáticas. Mas, precisamente por entenderem as funções socioculturais da língua padrão e por terem desenvolvido os métodos para sua descrição, defendem a elaboração de referenciais normativos sustentados pelos fatos e não pela mera opinião.tumblr_njoawsEqIm1qz6f9yo5_400
Em resumo, as três especialidades não se excluem. Ao contrário. Cada uma delas tem suas tarefas específicas e deve cumpri-las bem, sendo absolutamente indispensável o intercâmbio dos respectivos resultados. Sem uma sólida base filológica e linguística, uma gramática deixa muito a desejar. Por outro lado, a informação filológica é indispensável para o linguista que estuda a história da língua. Ainda: conhecer o saber gramatical acumulado é sempre ponto de partida para os estudos linguísticos e filológicos. Por fim, os instrumentos descritivos desenvolvidos pela linguística, seguindo os pressupostos da atividade científica moderna, são fundamentais para renovar a gramática e a filologia.

via:

http://www.parabolaeditorial.com.br/blog/entry/filologos-linguistas-e-gramaticos-2.html

Advertisements
This entry was posted in Mind. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s