Em quantos corações cabemos? – Beto Dickow

Aaah se o coração realmente se abrisse
Aaah se desse pra esquecer o que se disse
Aaaah se a alma enquanto grita se despisse
Aaah se pudéssemos viver sem crendice

Quanto tempo temos?
Em quantos corações cabemos?

Ah, um dia os corações pulsarão em harmonia
Um dia eu deixo de crer que é pura crendice
Que o pensamento é um caminho, todavia
Que ilumina a estrada obscura da compreensão
Que nos guia à plenitude, ou nos desvia
Nos paradoxos infinitos dos limites do ego
A alma rasteja e o coração sangra estancado com prego

Quanto tempo temos?
Em quantos corações cabemos? Quanto tempo temos?
Há quanto tempo isso deixou de importar?
Quanto tempo temos?
Quando nós mesmos, nós mesmos seremos?

Aaah se a essência falasse
Aaah se o universo conspirasse
Aaah se a corrente de corações em enlace
Não se perdesse ou fosse pregado e se rebelasse

Quanto tempo temos?
Quanto isso importa?

Aaah se eu acreditasse
Se eu servisse pra dar passe
Se a harmonia fosse absoluta
O tempo real então é praxe
Sempre,
Nunca,
Saberemos

Em quantos corações habitamos? Quantos universos criamos?
Em quantos corações pulsamos?

Vamos?

 

Advertisements
This entry was posted in Mind. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s