O Macho

By Walt Whitman

macho não é menos a alma, 
nem é mais: 
ele também está no seu lugar, 
ele também é todo qualidades, 
é ação e força, 
nele se encontra 
o fluxo do universo conhecido, 
fica-lhe bem o desdém, 
ficam-lhe bem os apetites e a ousadia, 
o maior entusiasmo e as mais profundas paixões 
ficam-lhe bem: o orgulho cabe a ele, 
orgulho de homem à potência máxima 
é calmante e excelente para a alma, 
fica-lhe bem o saber e ele o aprecia sempre, 
tudo ele chama à experiência própria, 
qualquer que seja o terreno, 
quaisquer que sejam o mar e o vento, 
no fim é aqui que ele faz a sondagem. 
(Onde mais lançaria ele a sonda, 
senão aqui?) 

Sagrado é o corpo do homem 
como sagrado é o corpo da mulher, 
sagrado — não importa de quem seja. 
É o mais humilde numa turma de operários? 
É um dos imigrantes de face turva 
apenas desembarcados no cais? 
São todos daqui ou de qualquer parte, 
da mesma forma que os bem situados, 
da mesma forma que qualquer um de vocês: 
cada qual há-de ter na procissão 
o lugar dele ou dela. 

(Tudo é uma procissão, 
todo o universo é uma procissão 
em movimento medido e perfeito.) 

Saberão vocês tanto, de si mesmos, 
que ao mais humilde chamem de ignorante? 
Consideram-se com todo direito a uma boa visão 
e a ele ou ela sem nenhum direito a uma visão? 
Acham então que a matéria se fez coesa 
na inconsistência em que flutuava 
e que a crosta subiu e se fez chão 
e as águas correm e brotam as plantas 
para vocês, só — para ele e ela, nada? 

Walt Whitman, in “Leaves of Grass”
Advertisements
This entry was posted in Mind. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s