Femmes d’Alger dans leur appartement – Delacroix

Femmes d’Alger dans leur appartement (Delacroix 1834 – 1849)

No final do século XIX, as pessoas se afastaram da romantização eufemística da prostituição e olharam para a realidade que se apresentou como extremamente feia.

Mas elementos críticos também podem ser vistos nas pinturas de harém e pinturas de odalisca.

As mulheres não são apenas retratadas como objetos de homens luxuriosos, mas também como seres em seu próprio direito e dignidade.

Elas não são apenas retratadas passivamente, mas até apaticamente, elas se submetem silenciosamente ao seu destino, e esse é consistentemente o caso de Delacroix, seus predecessores e sucessores, porque isso faz parte da essência do tema pictórico do harém ou da odalisca na Europa. Essa passividade e resignação silenciosa remontam ao Renascimento, onde aparece em Ticiano e Giorgione no tema de Vênus, ou ninfa, ou amante de um deus, que também tem de ser uma espécie de odalisca, cedendo em submissão dócil aos desejos do deus: ela não tem escolha.

Por mais bonitas que sejam essas mulheres, por mais calma e caseira que seja a atmosfera, é impressionante que o narguilé tenha um papel muito central. Onde alguém não pode escapar de seu destino, pode escapar da realidade com a ajuda de drogas, talvez ópio. O ópio era fácil de se obter, o reino britânico havia travado duas guerras de ópio contra a China em meados do século 19 para poder fazer negócios com ela sem impedimentos.

A rigor, a “atitude” das mulheres no harém as priva de seus direitos como seres humanos, o que torna críveis sua passividade e resignação; nesse sentido, sua posição é, por um lado, mais cômoda e mais honrosa que a de uma prostituta, mas, por outro, mais desesperançada, pois esta última pode reter pelo menos parte de sua dignidade e direitos.

Os impressionistas franceses, em particular, gostavam de retratar as prostitutas (Henri de Toulouse-Lautrec, Edgar Degas) como personalidades totalmente resolutas que, se necessário, podiam se defender contra seus clientes e, em certas circunstâncias, tomavam essa liberdade.

1227px-Au_Salon_de_la_rue_des_Moulins_-_Henri_de_Toulouse-Lautrec

Toulouse-Lautrec “Au Salon de la rue des Moulins”

O caráter de objeto da mulher, que os homens europeus consideravam mais ou menos natural no século XIX, só foi enfrentado no final do século XIX pelo emergente movimento de mulheres e socialmente efetivo 100 anos depois pelo feminismo.

Os artistas não tiveram nenhum papel nessa revolução.

via: 

https://artigos.wiki/blog/de/Die_Frauen_von_Algier

This entry was posted in Mind. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s